Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Três antes dos Trinta

30
Dez18

2018

Ana Sousa Amorim

Adoro balanços de fim de ano. Sou uma pessoa que funciona por objectivos por isto aproveito esta altura — e a dos meus anos — para alinhar as coisas. Ou era. Porque nos últimos anos o lema foi «going rogue». Sou organizada e pessoa de regras, mas a melhor que instituí foi se as listas ficarem por fazer, que fiquem, se a organização se furar, que fure e se o caos quiser entrar, abrir-lhe-ei as portas. Não vos vou dizer que foi o ano que quis. Teve muitas coisas boas. Superámos imensa coisa. Ajudaram-me muito para poder descansar uns quantos dias e passear outros. Tenho fotos lindas. Mas não se fotografa a saudade. Não saí do país. Não dormi. Não fui a um único concerto, nem a uma peça de teatro. Fui só quatro vezes ao cinema. Faltei a ajuntamentos vários de amigos. Tenho três livros há meses na mesinha de cabeceira que quero mesmo ler e nem os abri. Continuo com a dissertação por entregar. Ainda não fiz a minha Master Class do Aron Sorkin. Chorei rios de água. Desesperei. Tive vontade de atirar os meus filhos à parede porque nalgumas noites de cansaço vi tudo vermelho. Mas joguei ao esconde-esconde com a loucura e continuo a ganhar, sei onde ela está e deixo-a lá. Agarrei-me ao sol que nasce sempre, mesmo nos dias mais feios. Saí para dançar duas noites apenas, eu que adoro tirar o pó dos ossos. Passei 6 noites fora com o meu marido sem filhos, precisava de 20. Discuti muito com ele, mais do que em toda a nossa vida e às vezes por coisas que não valiam dois segundos. Não mandei aquela pessoa que me disse que eu precisava de emagrecer «pelo Pedro também» à merda e às vezes lembro-me. Assim como não mandei a pessoa que no shopping me disse para não tirar fotos à Leonor de capacete e tapar o arnês com roupa. Já sei que me vão mandar não pensar nestas pessoas, mas quando uma pessoa está frágil, esconder as lágrimas por comentários estúpidos custa. Por isso em 2019 vou mandar mais pessoas à merda e chorar menos, prometo. Prometo também tentar não trabalhar aos fins-de-semana e namorar mais. Não quero mais filhos, mas quero mais destes.

28
Dez18

Sabes lá, porra, sabes lá

Ana Sousa Amorim

Já me disseram uma vez quando me queixava da logística que sabiam como era e eu não disse, mas pensei para mim «sabes lá, porra, sabes lá». É, eu já tive só um filho, e as coisas mudam, mas fiz uma viagem de carro 13h com ele, outra de avião, viajámos sem ele, saíamos de casa quase todos os dias e jantava fora frequentemente com ele e sem ele. Com dois bebés quando tenho um almoço de família preciso de dois minutos no espelho da casa de banho a dar-me uma pequena pep-talk com muitos «tu consegues, Ana, é só sair de casa, não é andar de avião, são 4 km, não é esta merda que te vai deitar abaixo e ter o esgotamento". A logística de ter gémeos é um inferno que devia dar para colocar no CV como demonstração de grande capacidade de conformação, logística, mediação de conflitos, e por aí fora. Já nem falo do dinheiro (lágrimas), mas da logística, o não poder pegar num ao colo e correr para dentro do restaurante sozinha, porque há outro à espera no carro  é daquelas coisas que só mesmo quem passa é que sabe. Eu nunca sonhei com este mundo, aliás, nunca levei a sério as vezes infinitas que o meu pai dizia que eu ou a minha irmã íamos ter gémeos atendendo à genética que possuíamos, e quando pensava nisso só pensava «ui, não é para mim». E de facto, não é. Porque a verdade é que em vez de fazer face às adversidades, suar e dizer asneiras, eu eliminei-as. É difícil viajar? Não viajamos. É difícil jantar fora? Nunca o faremos. É difícil almoçar todos os fins-de-semana com amigos? Passará a ser de quatro em quatro meses. Foi o caminho que encontrámos para manter a sanidade e não aceito que ninguém o critique porque os sapatos podem ser bonitos, mas quem anda com eles sou eu. Sabes lá, porra, sabes lá.

14
Dez18

Passar-me da marmita com fases naturais dos filhos

Ana Sousa Amorim

Ora, eu já sabia que as crianças têm uma tendência incrível para aprender a dizer não e a repeti-lo ad aeternum. E lembro-me de ver determinadas pessoas passarem-se com os nãos constantes das crias e pensei, cheia de ideias positivas sobre a mãe que ia ser e ainda não era, que eu ia aceitar e perceber que é só uma fase. Pois, disse nunca e agora pumba. Diálogo de há dias:- Gonçalo, anda lá, porque é que não queres sopa, é a mesma do almoço e está óptima...- Não.- Então e queres arroz?- Não.- E queres fruta?- Não.- E se eu puser os carrinhos a dar?- Não.- Queres ir brincar então e não jantas?- Não.- Queres ir dormir?- Não.- Bolas, filho, o que é que tu queres?- Não.[ponho os carrinhos, come a sopa toda][não foi bolas que disse, mas a minha mãe pediu-me para deixar de dizer as asneiras com F e com C, por isso coiso][olha, não vos consigo deixar assim na dúvida, desculpa, mãe, mas foi foda-se que disse]

09
Dez18

Sobre a festa do primeiro aniversário dos gémeos

Ana Sousa Amorim

Então sobre ontem: decidimos fazer uma festa de aniversário aos putos daquelas mais para adultos do que para crianças, embora parte do nosso grupo de amigos já se tenha reproduzido por muitos. Assumo sem pudor que o único motivo pelo qual avançámos com a festa foi pela conhecida síndrome «segundo filho» que nos leva a fazer as mesmas coisas que fizemos ao primeiro ainda que não haja vontadinha nenhuma. Decidi marcar cabeleireiro para contrariar a falta de cuidado dos últimos tempos. Já estava de pratas no cabelo quando me avisaram que a coisa ia demorar 4h. Portanto, ia sair dali à hora a que a festa começava. Não sabia se devia chorar ou rir. Enchi-me de coragem e mandei sms ao marido que pensou que estava a gozar. Ao menos levei o computador para trabalhar e não se perdeu tudo. 4h depois, bastante mais pobre e com um cabelo que não gosto porque quem nasceu para lagartixa não chega a jacaré e nos outros balayages é chique, em mim ficou só parecido com madeixas dos anos 90 mas em mau, saí do cabeleireiro, corri para casa, e arranjei-me em exactamente em 10 min e 19s. Não cronometrei ao segundo, mas pus o Sinnerman da Nina Simone a tocar e vesti o casaco no preciso momento em que a música terminou. No Thomas Crown Affair é o tempo que leva a assaltar um museu, na minha vida foi o tempo que consegui roubar para me vestir e pintar, sempre sempre a safar. Depois de entrar no carro e de me enganar duas vezes num caminho que conheço desde os 15 anos, constatei que se calhar não posso passar tanto tempo sem andar de carro porque fico com a capacidade de andar na cidade de um turista. A viagem demorou dez minutos, aí ao oitavo o meu corpo disse-me «Ana, aparentemente sobreviveste 30 anos sem saber que para fazer coisas, nomeadamente conduzir, é necessário respirares, pelo que enfiares-te numa cinta que parece querer que os teus órgãos se unam para sempre é parvo». Tive de estacionar longe, porque os lugares perto estavam ocupados pelos convidados da minha festa, como é óbvio e irónico, e tentei correr para a porta. Aqui pensei: foda-se, eu tenho de ser estudada. Acho que sou um exemplo perfeito dos efeitos da privação de sono. A sério, eu era uma pessoa com uma boa capacidade de tomar decisões, acho mesmo que a perspicácia era uma das minhas melhores qualidades. Agora, só tomo decisões de merda. Tenho três filhos que não param quietos e decidi vestir uma saia lápis. Muito justa, o que não abona a favor da minha elegância, e com elasticidade que permite um diâmetro de ação tão reduzido que andar fica difícil, correr uma utopia. Juntei-lhe saltos altos. Objecto de estudo, definitivamente. Assim que pus o pé na festa pensei que o meu corpo ia entrar em paragem cardiorrespiratória, mas a primeira pessoa que me viu disse «estás tão linda» e a seguir o meu filho mais novo chorou quando olhou para mim, o que decidi entender como um elogio. Do depois nada mais há a dizer porque a tristeza torna-me poeta, o caos com a mania que sou engraçada e a felicidade muda.

07
Dez18

Ser desleixada com a minha aparência

Ana Sousa Amorim

Lembro-me de estar grávida e estar a ver um daqueles artigos beras que tenho vergonha de admitir que abro com fotos de celebridades na rua de fato de treino todas descabeladas e pensei «não vou deixar de me arranjar». Arranjar-me é especialmente importante para mim que trabalho em casa e sei a importância de não deixar de ter determinados comportamentos sob pena de virar ermita. E, no início, esforcei-me. Depois de ser mãe houve dias em que sucumbi ao pijama o dia todo e cheguei a descer de pijama para ir ao lixo, mas não me sentia minimamente desleixada. No entanto, logo logo após os gémeos percebi que desleixe ia passar a ser uma questão de sobrevivência em determinadas alturas. Quando o trabalho aperta, tenho de escolher prioridades e francamente as unhas não são uma delas. Aí, entra a engole-sapos: cabelo tão sujo que faz comichão preso num totó que me deixa o pescoço gelado como a minha alma, lenço antigão para aquecer o pescoço, camisolão de «andar por casa» que me lembra que noutra vida viajava, olhos que não vêem maquilhagem há tanto tempo que me perguntaram se estava doente, unhas dos pés feitas com gelinho preto há três meses (que decidi que sairá por via de crescimento, pelo que parece que tenho as unhas sujas de terra na medida em que só sobra o final tipo manicure francesa mas com preto) e unhas das mãos cortadas com corta-unhas quando topo que já ando a arranhar os putos. Não quero dar ar de mártir, «olha aquela, tadinha, agora não tem tempo, ficou feia» porque continuo a ir ao cabeleireiro, à manicure e à depilação, simplesmente não vou tanto como ia (e queria). Jamais me imaginei neste ciclo de nem-olho-para-o-espelho, sei-lá-o-que-tenho-vestido, tenho-o-cabelo-tão-oleoso-que-quase-fica-preso-sem-puxo, tanga-agora-só serve-para-descrever-uma-coisa-fraca, vou-só-lá-abaixo-não-preciso-de-pôr-soutien-claro-que-tinha-de-encontrar-4-pessoas-conhecidas. Disse que ia continuar igual, a cuidar de mim e que nunca me ia desleixar e agora pumba. [e não há mal nenhum, feliz assim, não há truque melhor para levantar o astral: quando me pinto outra vez, porra, ninguém me atura, sinto-me uma estrela!]

Mais sobre mim

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub